• Kiki Mily

7 dicas para facilitar a adaptação escolar do seu pequeno


Confira 7 dicas para facilitar a adaptação escolar

1. Faça a mudança parecer gradual

Antes da mudança em si, já comece a conversar com seu filho sobre a nova escola. Façam juntos o futuro caminho até ela. Se a nova escola for em uma nova cidade, aprendam juntos sobre ela.

A própria escola pode dar uma ajudinha quando a mudança é grande: que tal uma aula sobre a nova cidade?

Outra coisa que pode ajudar é a escola nova enviar uma foto da nova classe, o que pode fazer com que a criança já vá conhecendo alguns rostos e ambientes.

Ao chegar na nova escola, proporcionar assuntos para que a criança tenha o que apresentar aos colegas sobre si mesma é interessante.

Isso pode ser desde levar uma mudinha de uma planta comum em sua cidade anterior (em caso de mudança de cidade) ou mesmo algum souvenir do final de semana, como o ingresso usado de algum filme legal que vocês assistiram juntos.

2. Atenção à rotina!

A rotina é uma das percepções mais importantes dos pequenos. Para crianças mais novas, é importante que ela seja o menos afetada possível.

A rotina proporciona conforto e segurança. Se um ambiente novo é introduzido em uma rotina já conhecida, o impacto percebido é bem menor.

Para crianças um pouco mais crescidas, o mais importante é envolvê-las em todos os processos, seja arrumar a mochila para a nova escola até separar o uniforme novo no dia anterior.

Participar dessas atividades junto com os pais faz com que a criança se sinta cuidada e, principalmente, parte de tudo isso.

3. Transforme a “hora de dar tchau”

O momento crucial durante a adaptação a uma nova escola é a despedida em si. Mostrar confiança na nova escola, em seus educadores e na decisão de mudança é algo que a criança percebe.

Deixe bem claro que essa situação não é deixar algo para trás, mas a oportunidade de encontrar coisas pela frente: novos amigos, novas brincadeiras, novas aventuras.

Essas atitudes são fundamentais também no último dia da escola antiga: converse com todos para transformar o “Que pena que você está indo embora” por “Boa sorte nessa nova aventura!”.

4. Adapte-se também

Aquela insegurança dos primeiros dias da primeira escolinha podem voltar nesse momento. Depois da conquista da confiança da criança em ser deixada em um lugar que não é familiar a ela, uma escola nova parece desmontar tudo isso.

O choro na entrada da nova escola pode acontecer e, com isso, a ansiedade ao longo do dia para saber se está tudo bem volta.

Pensar em pequenas distrações para quando isso acontecer pode ajudar bastante. Sempre que bater a ansiedade, que tal ouvir aquela música favorita? Ou até sair pra tomar um ar.

Outra coisa importante: conheça e se envolva com a comunidade de pais e professores da nova escola. Conheça o ambiente, os responsáveis pelas crianças dentro da escola e fora dela.

5. Demonstre interesse…

Se mostrar interessado pelo novo ambiente demonstra segurança à criança. Para isso, essa lista de alternativas à pergunta “Como foi a escola hoje?” é ótima.

Faça perguntas variadas. Faça mais perguntas sobre o tema que pareceu deixar seu pequeno mais animado ao responder.

Outra coisa importante: preste bastante atenção às respostas evasivas ou quando a pergunta não tem resposta alguma. Aí podem estar os pontos problemáticos da experiência da criança na nova escola.

6. … E abra espaço para a criança

Quando o assunto vier à tona, reforce os aspectos positivos: o crescimento, o amadurecimento, a possibilidade de fazer novos amigos, novas aventuras.

Puxe conversa com seu pequeno sem forçar ou coagi-lo a responder. Abra espaço para que demonstre seu desconforto, se ele existe, sem o medo de sofrer reprimendas.

Esse canal aberto de diálogo é algo que não se constrói da noite para o dia, mas é fundamental que você e seu filho estejam em sintonia nesse momento de transição.

Outro aspecto importante: mantenha sua palavra. Pode parecer algo óbvio, mas isso envolve atitudes bastante delicadas e a mudança de coisas que acreditamos fazer bem para a criança.

Não se atrasar para buscar o filho na escola é uma dessas atitudes. Evitar também o “Eu já volto pra te buscar” na despedida é interessante; isso gera expectativas que podem ser diferentes do itinerário real.

7. Não associe a escola a algo ruim

A experiência dos pequenos com a escola pode até ser boa, mas pequenas associações ao longo do tempo podem mudar esse time que já está ganhando. Quando a escola que ela sempre conhecia de repente muda, isso pode vir a tona e dificulta as coisas.

Já ouviu algum pai/mãe, ou até você mesmo, usar aquela antiga ameaça diante de uma birra na saída da escola: “Se você continuar fazendo birra, vou te deixar aqui”. Percebeu que assim a escola vira um castigo?

Uma outra coisa que pode ter efeitos negativos é associar elementos ligados à experiência de ir à escola com castigos ou punições.

Isso tem bastante força, por exemplo, com crianças que mudaram de período escolar, que passam a acordar cedo. Já pensou se, além disso, uma punição envolve acordar mais cedo no final de semana?

Cada mudança na vida das crianças é recebida de forma diferente. É impossível prever quando a resposta será tranquila ou vai demandar um pouco mais de atenção e carinho.

O mais importante, no entanto, é sempre proporcionar em casa um ambiente de segurança e acolhimento, em que a criança possa se expressar e que as mudanças internas decorrentes das mudanças externas possam ser apresentadas e, caso positivas, cultivadas ou, caso negativas, trabalhadas.


2 visualizações
  • Google ícone social Places
  • Pinterest ícone social
  • Instagram ícone social
  • Facebook ícone social
  • YouTube ícone social

KIKI & MILY l 11 3313-7673